spot_img

Leia a nossa última edição

Os vermelhinhos e sua revolução em Maricá

Por: Elaine Nunes

Durante 40 anos, o transporte público em Maricá foi controlado por empresas privadas. Apesar do alto valor das passagens, os usuários andavam em ônibus antigos – alguns bem sucateados – e com horários totalmente irregulares. Um sofrimento que parecia nunca ter fim para os moradores que dependiam do transporte público e acabavam à mercê do mal serviço prestado pelas empresas de ônibus. A população não estava satisfeita, mas também não encontrava outra opção para se locomover e percorrer os bairros, ou até mesmo, chegar às cidades vizinhas.

A situação só começou a mudar em 2009, quando Washington Quaquá assumiu a Prefeitura e garantiu que o direito à mobilidade seria uma de suas prioridades.

Inovador, sonhador, utópico, Quaquá não sossegou enquanto seu desejo não foi realizado e cumpriu o que prometeu: criou a autarquia Empresa Pública de Transportes (EPT) – Lei Complementar nº 244/2014 – responsável pelo programa Tarifa Zero com transporte público gratuito à população.

Alguns meses depois, em 18 de dezembro de 2014, os dez ônibus da EPT começaram a operar, marcando a vitória do povo, com a oferta de quatro linhas circulando de Itaipuaçu à Ponta Negra, com intervalos de 20 minutos das 5h às 22h. O primeiro carro partiu do Terminal Rodoviário do Povo (Centro) às 9h17 em direção ao outro extremo da cidade, Ponta Negra.

Equipados com ar condicionado, sensores que não permitiam o tráfego com as portas abertas e elevadores para deficientes, os coletivos possuíam catracas instaladas na parte dianteira, mas apenas para o controle de passageiros. A passagem, no entanto, não tinha custo nenhum para a população. Já o investimento municipal foi de R$ 4,8 milhões.

É importante lembrar que, no período de menor movimento, das 22h às 5h, os coletivos passavam de hora em hora, suprindo uma lacuna de transporte, já que as linhas operadas pela empresa privada não rodavam de madrugada. Os moradores começaram então a se preocupar menos em como fazer para voltar para casa após o longo dia de trabalho, ou aquele choppinho gelado no fim do expediente. 

Aos poucos, outros vermelhinhos foram comprados, totalizando 13 ônibus, reforçando a frota e melhorando o atendimento. Maricá inovou e se tornou a primeira cidade com mais de 100 mil habitantes a oferecer transporte com tarifa zero.

Revoltada com a queda de seus lucros, já que muitos passageiros optavam pelo transporte gratuito, a Viação Nossa Senhora do Amparo iniciou uma disputa judicial contra a Prefeitura de Maricá que durou três anos e teve a decisão da justiça favorável à empresa de ônibus, detentora do monopólio do transporte em Maricá. Todas as linhas acabaram suspensas. O povo então, voltou a sofrer! 

As passagens com preços exorbitantes voltaram a ser pagas. Os ônibus sempre lotados não tinham a manutenção adequada. Não era possível que o sonho tivesse durado tão pouco tempo. Era preciso fazer alguma coisa para mudar aquela realidade mais uma vez. E de forma, definitiva. 

Inconformado, Quaquá recorreu e garantiu a autorização para retornar com linhas originais em outubro de 2016. Novas rotas tiveram que ser criadas, para que o vermelhinho não infringisse a lei e percorresse os caminhos que a empresa Nossa Senhora do Amparo fazia, como a linha que liga os condomínios residenciais de Inoã e Itaipuaçu e a linha Rodoviária- Araçatiba.

Em abril de 2017, no entanto, a EPT garantiu mais uma conquista! Assumiu em caráter emergencial a missão de operar as linhas de ônibus concedidas à Viação Costa Leste, por causa do mau serviço prestado. Gradativamente, a empresa prestadora de serviço foi sendo substituída pela EPT. Apenas os 3º (Inoã) e 4º (Itaipuaçu) distritos continuavam sendo atendidos pela Viação Nossa Senhora do Amparo.

Mas no dia 05 de março de 2021, com o fim do contrato de concessão,  os vermelhinhos passaram a percorrer os quatro distritos da cidade, alcançando todas as linhas que antes eram atendidas pela empresa privada. O povo voltou a sonhar! Tinha vermelhinho na cidade toda!

Pessoas que moravam em Itaipuaçu garantiram o direito de circular de graça por toda a cidade e puderam conhecer bairros mais distantes, como Espraiado, Ubatiba e Cassorotiba. Por outro lado, quem morava em Ponta Negra, teve a oportunidade de conhecer São José do Imbassaí, Ponta Grossa, Parque Nanci e Araçatiba. 

As pessoas podiam sair de casa, de graça, para trabalhar, ir ao mercado, pagar aquela conta e até mesmo passear. Os limites da cidade tornaram-se cada vez menores. 

De lá para cá, houve aumento da frota, diminuição do intervalo dos horários das linhas de ônibus e criação de novas rotas para locais que não eram atendidos. Ao longo de 2022, a EPT registrou mais de 36 milhões de deslocamentos por meio das 39 linhas e 115 ônibus da frota de vermelhinhos, que circulam gratuitamente pelos quatro distritos da cidade.

Um levantamento da Empresa Pública de Transportes apontou que a população da cidade economizou, só no ano passado, mais de R$ 161 milhões com tarifas no transporte, o que equivalem a mais de R$ 13 milhões por mês. 

O estudo da EPT tomou como base a tarifa aplicada em cidades vizinhas, como Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Rio de Janeiro, em que o custo médio do preço da passagem é de R$ 4,05. O valor foi multiplicado pela quantidade média de deslocamentos dos usuários na cidade, aproximadamente três milhões e meio por mês.

Um dinheiro que invés de ser investido no transporte público foi utilizado para colocar mais comida na mesa do povo, para comprar aquela roupa especial ou até mesmo um mimo para um membro da família. 

Com os ônibus gratuitos mantidos, até hoje, pelo poder público, quem mora, e até mesmo, quem visita Maricá, ganhou mais qualidade de vida. Ganhou a possibilidade de ir até a praia no dia de sol, até o hospital no dia de muita dor e até o Restaurante Municipal Mauro Alemão, em Inoã, para saborear uma deliciosa refeição, completa e nutritiva, sem se preocupar em como arrumar o dinheiro para pagar as passagens de ida e de volta.

Maricá é a cidade que garante o cumprimento de um direito constitucional: o direito de ir e vir. E o melhor, de graça! Isso faz da cidade presença garantida numa seleta lista de mais de 70 cidades brasileiras que contam com a tarifa zero, de acordo com a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU).

O transporte público gratuito em todo o território é a marca da gestão de Maricá, símbolo de uma política que entende o direito à mobilidade como garantia constitucional e que, portanto, não pode ser cobrado ao usuário, seja ele morador ou visitante.

Os ônibus gratuitos garantem cidadania, resgatam a sensação de pertencimento ao morador em relação ao município e promovem a equidade social ao permitir que pessoas mais pobres também se desloquem pelos bairros maricaenses e acessem os serviços públicos, o comércio, a cultura e o lazer em áreas distantes de onde sempre moraram.

A iniciativa serve também de atrativo para a fixação de companhias privadas na cidade, onde podem excluir os custos, por exemplo, do pagamento de vale-transporte para os seus funcionários.

Amados também pelos pequenos passageiros, os vermelhinhos já foram até tema de festas de aniversário de várias crianças, encantadas com o serviço prestado e com o diferencial da cor de seus ônibus. 

Para homenagear os usuários mirins, no dia 12 de outubro, em que se comemora o Dia das Crianças, a EPT os presenteou com uma surpresa, uma mini festa a bordo de um dos coletivos, o micro-ônibus “Vermelhinho das Crianças”, fazendo com que a data se tornasse ainda mais inesquecível para cada um deles. Além de brincar, tirar aquela foto bonita no banco do motorista e com o quadro do Instagram da EPT, a criançada pode levar para casa desenhos para colorir, com imagens dos ônibus.

“Nossos usuários mirins amam o ônibus vermelhinho. O sorriso e a satisfação deles em andar nos ônibus diariamente nos revigora a continuar sempre fazendo o efetivo trabalho em prol da população de nossa cidade no que diz respeito ao melhor sistema de transporte coletivo de passageiros do país”, explica Celso Haddad, presidente da EPT.

Segundo ele, desde 2014 Maricá é reconhecidamente a cidade modelo do país na implantação do modal de transporte público coletivo Tarifa Zero através da EPT. 

“Com a gratuidade nos ônibus vermelhinhos, o acesso ao lazer foi democratizado e o maricaense passou a conhecer sua cidade por inteiro, de Jaconé a Itaipuaçu, sem gastar um centavo com passagem de ônibus. Além disso, o município vem aquecendo o comércio com uma maior movimentação de pessoas em todas as localidades. Toda esta economia gerada à população, além de possibilitar uma melhor qualidade de vida ao povo da nossa cidade, é um dever, por parte exclusivamente deste governo municipal, do cumprimento de um direito social a todo e qualquer cidadão ao transporte público eficiente de Tarifa zero”, comemora Haddad.

E não para por aí. Até o final deste ano, a EPT pretende ampliar ainda mais a sua frota, criar novas linhas de ônibus e realizar a extensão de outras já existentes. Tudo isso, pensando em melhorar ainda mais a qualidade do serviço de quem escolheu Maricá para morar ou para visitar. 

E você, tá esperando o que para visitar aquele bairro que você ainda não conhece? Opções não faltam. Tem ônibus para a Barra, Caju, Manoel Ribeiro, Retiro, Jacaroá, Silvado, Bambuí, Condado e muito mais. Basta escolher o seu roteiro e bom passeio. 

Últimas Noticias

- Publicidade - spot_img
- Publicidade - spot_img

LEIA MAIS