spot_img

Leia a nossa última edição

Orgulho para Maricá

Atletas do karatê se destacam em campeonato internacional

DSC_0564

Maricá foi muito bem representada no 7º  Campeonato Mundial de Karatê realizado na cidade de Dundee na Escócia . Os atletas Ana Carolina Alves Ferreira,  Kadu Muniz Queiroz  e Isabelle de Souza Macedo foram selecionados para representar o Brasil através do Campeonato Brasileiro e do ranking estadual. Isabelle Macedo consagrou-se como Vice- campeã Mundial e Kadu Muniz foi medalhista de bronze. Eles treinam na Associação Rio de Janeiro de Karatê Shotokan (ARJKS), no Centro de Maricá. Para a competição,  os atletas precisaram fazer rifa e almoço e contaram com alguns apoios  para a arrecadação de recurso. Em setembro, eles participam do Campeonato Brasileiro.

Família como incentivo

O atleta Kadu Muniz de 18 anos,  treina desde 2009 e tem como maior incentivador o próprio pai. Ele conta que começou a treinar por influência do pai que também treinava karatê, assim como a irmã.  E essa foi a primeira competição internacional da qual participou. “Cada competição é um aprendizado. Foi muito difícil participar de uma competição como essa com atletas de todo o mundo. Fiquei feliz com o resultado alcançado que é consequência de todo o treino que vem sendo realizado”, comentou.

 Kadu também já foi bronze, na Categoria, Kumite Shobu Sanbon  e 9° Lugar, na Kata Shotokan que é uma simulação de luta onde o praticante executa  movimentos de defesas e ataques com o objetivo de colocar em prática os exercícios praticados em treino.

 

Outras modalidades como ínicio

 Isabelle Souza Macedo, de 19 anos já participou de dois campeonatos internacionais, o primeiro em 2016, realizado em Dublim na Irlanda. Ela foi campeã mundial na categoria Cadete para atletas entre 15 e 17 anos e participou do Pan- Americano. O início na modalidade aconteceu em 2007, mas primeiro ela começou a treinar judô e decidiu por conta própria.

“A base do esporte sempre foi algo muito importante em minha vida. Agradeço a todos que contribuíram para nossa participação nesse campeonato”, disse .

 Atualmente, Isabelle é monitora de judô para as crianças. Ela já foi vice Campeã, na Categoria, Kumite Shobu Sanbon e 4° Lugar, na Kata Shotokan.

DSC_0571

Treinadores

Formada em Educação Física, a atleta Ana Carolina começou a praticar a modalidade desde 2003 em um projeto no Colégio Elisiário Matta. Ela conta que começou por influência dos amigos e de lá pra cá nunca mais parou de treinar.

“Sempre quis fazer luta. Acabei sendo levada por influência dos meus amigos e acabei tomando gosto  e nunca mais parei. Já participei de campeonatos estaduais , brasileiro e Pan-Americano”, comentou.

Ana Carolina conquistou o 6° Lugar, na Categoria Kumite Shobu Sanbon e é uma das professoras de Karatê para as crianças na Associação.

Um dos responsáveis pelo bom desempenho dos atletas é o treinador João Tzoulas. Ele é fundador e diretor da Associação Rio de Janeiro de Karatê. João contou que vieram da Grécia e o pai era lutador, foi daí a paixão pelas artes marciais. “Treino há 47 anos. Em 1968, meu pai conheceu um professor de judô e karatê e em 1972 fundei meu primeiro projeto. Fomos considerada por sete anos consecutivos a melhor associação inter-estilo”, comentou ele que também já foi militar.

Atualmente ele dá aulas de defesa pessoal para funcionários da Guarda Municipal e é diretor do Teen Art Kombat.

DSC_0576.JPG

Projeto nas escolas

Além de Kadu, Ana Carolina e Isabelle, outros 11 atletas também competiram na Escócia. Eles participam de um projeto de karatê  na Escola Municipal Maurício Antunes (Emmac) no Boqueirão. Alunos da E.M Joana Benedita Rangel e da E.M. Vereador João da Silva Bezerra também frequentam as aulas do projeto e disputaram o mundial.Várias atividades são oferecidas fora do horário escolar com o intuito de incentivar o espírito esportivo, a responsabilidade e a boa frequência em sala de aula.

Dos alunos participantes, cinco trouxeram medalhas: Beatriz da Costa, 12 anos, David Grimaldi, 15 anos, Frederick Montilha, 12 anos– medalha de prata, Gabriel Carvalho, 8 anos– 5º lugar, Jorge Carvalho, 11 anos, Jhonata Caetano, 11 anos, Karolyna Ashley, 14 anos,  Kevin Silva, 20 anos, Luiz Henrique Moreira, 12 anos– medalha de bronze, Rayane Sales, 14 anos – medalha de bronze, Wesley Santana, 11 anos– medalha de ouro e Renata Rocha, 24 anos (professora carateca)– medalha de prata (categoria open de vários estilos) e medalha de ouro (categoria individual comitê).

índicefsdcvxcxv

História do Karatê

O karatê é uma arte marcial japonesa que surgiu na ilha Okinawa. A história começa quando o monge indiano Bodhidarma caminha da Índia para China querendo fundar um mosteiro budista. Além dos conceitos de contemplação do budismo, Bodhidarma levou uma técnica de luta sem armas, com objetivo de manutenção da saúde e autodefesa, dando início as artes marciais.

Okinawa pertencia a China durante a dinastia Ming e o intercâmbio cultural foi inevitável. Após o final da dinastia Ming, Okinawa passa a ser dominada pelo Japão. Querendo evitar uma rebelião, os japoneses proíbem o uso de armas de fogo em Okinawa. A população começou a utilizar pés e mãos como forma de defesa, os mestres selecionavam os alunos e seus treinos eram secretos. A repressão da elite japonesa era tão grande que foi comparada com a perseguição a capoeira no Brasil Imperial.

No séc. XIX com a liberação do uso de armas de fogo, a história muda. A partir daí, o karatê começa a ser praticado com enfoque em educação física e fundamentação espiritual, sendo introduzido como educação física em 1905.

O principal responsável por popularizar o esporte fora de Okinawa foi o mestre Gichin Funakoshi. Em 1916 fez a primeira demonstração pública, na cidade de Kyoto, em 1921 faz uma apresentação para Hiroshita, o futuro imperador do Japão. Em 1923, o mestre Funakoshi se muda para Tóquio com intuito de propagar no Japão, sempre buscando formar homens como cidadãos úteis a sociedade.

Após a derrota japonesa na 2ª Guerra Mundial, as forças Norte Americanas dominaram o Japão e proibiram a prática. Porém, alguns alunos de Funakoshi convenceram que o karatê era um esporte inofensivo, além disso, alguns soldados americanos estavam interessados em aprender aquela nova arte marcial. Assim com a imigração japonesa, o karatê se propagou pelo mundo ganhando adeptos de várias nações do mundo.

Fonte: https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao-fisica/historia-do-karate/49635

índicerefdsfsdf

Fotos: Tiago Campelo

Maricá Já Play. A sua informação em apenas um click

 

 

Últimas Noticias

- Publicidade - spot_img

LEIA MAIS